Vazamento de Dados – identificando e cuidando do elo mais fraco da empresa

Cibersegurança - RGM Tecnologia da Informação

Os erros que levam a incidentes cibernéticos nem sempre são culpa da tecnologia empregada. Muitas vezes, são as pessoas que acabam se mostrando como o elo mais fraco da organização, independentemente do porte dela.

Entender isso e compreender onde estão os pontos de melhoria na cibersegurança do seu negócio, a começar pelo elemento humano, é o primeiro passo para se proteger e adequar-se à LGPD!

Vazamentos de dados são cada vez mais comuns no mundo todo. Empresas de vários portes, instituições como a Anhembi Morumbi, gigantes da tecnologia como Nvidia e Intel… Ninguém está realmente seguro, e apenas este ano, foram incontáveis casos de vazamentos de dados e invasões.

Mas, e quando a culpa não é da tecnologia? A exemplo do que supostamente teria acontecido com o Twitter no ano passado, existem casos de vazamento de informações onde o hacker utiliza o elo mais frágil de uma empresa: o ser humano.

Já falamos de responsabilidade corporativa, e de como todas as partes envolvidas em um processo de trabalho, a partir do momento que estão cientes dos riscos e ameaças inerentes às atividades, são responsáveis pelo que vier a acontecer, caso não tomem as devidas providências.

Vazamento de Dados e Políticas de Trabalho

É importante salientar que o elo humano é um dos que requerem mais atenção durante todo o trabalho, pois situações onde os colaboradores “esquecem” ou negligenciam tarefas importantes são mais comuns do que se pensa. Seja uma “pequena ação”, que aparentemente não terá consequências, ou algo maior que imediatamente irá comprometer toda a operação. A ação humana envolve riscos, e conhecê-los garante que você possa se preparar para enfrentá-los.

Para isso, é preciso que os processos sejam visíveis e que todos conheçam bem o fluxo de trabalho ao qual estão sujeitos. Assim, acaba aquela visão limitada de trabalho onde apenas a própria colaboração importa. Todos entendem a cadeia de processos onde estão envolvidos e os resultados que cada ação trará.

Não seguir as políticas de trabalho de maneira adequada, deixar de realizar uma verificação de segurança, entre vários outros fatores, pode acarretar consequências severas à empresa. É necessário evitar que isso aconteça e manter a ordem no negócio. 

Porém, por mais que o controle seja assertivo, sempre haverá algum risco, e nesse caso entram em cena os planos de continuidade de negócios, contingências que permitem que a empresa continue suas operações e mitigue os impactos do problema que foi gerado.

O ambiente colaborativo é mais seguro

Quando todos têm ciência da importância do seu trabalho, a chance de acontecerem erros ou negligência é menor. O vazamento de dados não é algo que acontece apenas por conta de uma falha tecnológica. Os hackers estão cada vez mais atentos e criativos para capturar colaboradores desatentos, que deixam de realizar seu trabalho como deveriam, o que acessam um site IDÊNTICO ao oficial, e acabam expondo toda a organização a uma ameaça.

É importante haver um senso de colaboração e garantir que todos entendam o impacto de um vazamento de dados em escala corporativa. É algo que afeta a todos, e pode manchar reputações para sempre. Por isso, também ressaltamos a necessidade de manter ambiente pessoal e corporativo sempre separados. Utilizar o computador da empresa para diversão, mesmo que seja durante o home office, pode acabar gerando dores de cabeça, demissões por justa causa e problemas financeiros gigantescos.

Se proteger contra o vazamento de dados é algo que todos em uma empresa devem fazer, seja melhorando a estrutura tecnológica ou adaptando políticas de trabalho em prol da segurança da informação.